Talentos premiados

 Em Desenvolvimento, Gestão de Talento, Liderança

O Instituto Superior Técnico (IST) promove o Prémio Maria de Lourdes Pintasilgo, o qual se destina a galardoar anualmente duas mulheres aí formadas: uma antiga aluna que tenha completado o seu ciclo de estudos no IST há mais de 15 anos e que se tenha destacado pelas suas contribuições profissionais e/ou sociais; uma recém-graduada do IST, com menos de 27 anos e que se tenha destacado pela qualidade científica da dissertação de Mestrado e pelo percurso académico no IST.

As galardoadas da primeira edição do Prémio foram Maria da Graça Carvalho, membro da Unidade de Aconselhamento Científico da Comissão Europeia e Relatora do Horizonte 2020 e Inês Godet, atualmente aluna de Doutoramento na Johns Hopkins University.

Graça Carvalho dispensa apresentações, sendo reconhecida nacional e internacionalmente pelo seu papel científico e no domínio político (em que é apreciada pelos diferentes quadrantes), quer como Ministra da Ciência e do Ensino Superior, quer como deputada europeia. Inês Godet é engenheira biológica, doutoranda na Universidade Johns Hopkins e investigadora na área do cancro. No IST, tem sido mentora de alunos mais jovens.

Tive oportunidade de assistir à cerimónia de entrega dos prémios. Graça Carvalho e Inês Godet são dois exemplos em quem se percebem qualidades inerentes aos grandes talentos, como a disponibilidade para o outro e o equilíbrio entre uma atitude discreta (a que geralmente se chama humildade) e a necessária visibilidade que o seu trabalho tem de ter. E foi comovente observar Inês Godet, na sua figura franzina mas decidida, a subir ao palco para fazer um discurso livre de chavões, com um à-vontade de quem não tem muito treino nestas lides, mas onde não houve uma palavra a mais ou a menos. Foi ainda comovente, quando durante o seu discurso Graça Carvalho agradecia às pessoas que a têm acompanhado no seu percurso profissional, ver uma lágrima a cair do rosto de um homem cujo nome foi referido.

Tratou-se de um momento de afirmação do talento de mulheres num meio que até há pouco tempo era do domínio quase exclusivo dos homens. Na época em que Maria de Lourdes Pintasilgo frequentou o Técnico, havia apenas três alunas. Quando Ana Paula Vitorino, actual Ministra do Mar, decidiu formar-se em engenharia civil, dizia-se que as mulheres que iam frequentar o Técnico eram mulheres de bigode.

Também durante a cerimónia, o Comissário Europeu Carlos Moedas trouxe-nos a emocionante história de Jocelyn Bell Burnell, uma astrofísica que, em 1967, descobriu os primeiros  pulsar enquanto se doutorava sob a supervisão de Antony Hewish. À conta dessa descoberta, Hewish viria a ganhar o Nobel da física em conjunto com Martin Ryle tendo Jocelyn sido excluída apesar de ter sido a primeira a observar os pulsar.

Muitos outros exemplos haverá, das dificuldades que muitas mulheres tiveram para poderem ser reconhecidas em meios profissionais tradicionalmente masculinos mas foi com admiração que constatei que, felizmente, o IST percebeu que lhe cabia contribuir para dar visibilidade a mulheres que a merecem e também assim atrair mais alunas para os seus cursos. Afinal de contas já forneceu uma primeira ministra e algumas ministras ao País e nenhuma delas com bigode.